Dämiakären

De UBRwiki
Ir para navegação Ir para pesquisar
Dämiakären
República Dämiakärense
Federação Dämiakärense
Bandeira de Dämiakären (6001).png
Brasão de Armas de Dämiakärën.png
Bandeira
Gentílico: dämiakärense

Localização

Capital Müshiden (de facto)
Kähninmërki Ocidental (de jure)
Cidade mais populosa Müshiden
Língua oficial Língua Dämiak
Governo república federativa parlamentarista
 - Presidente Renkäni Müshikächër
População  
 - Estimativa para 6008 33.491.654 hab. 
Org. internacionais Liga das Nações
Liga dos Povos Livres

Mapa

Dämiakären, oficialmente Federação Dämiakärense ou República Dämiakärense, é uma república federativa parlamentarista, localizado no continente de Astarte. Surgiu após a queda do Reino Confederado de Dämiakächër em 16 de atymi de 6001 e declarou independência em 19 de mezel de 6001, tendo seu reconhecimento firmado pela Liga das Nações em 15 de neal de 6003 na Conferência de Kähninmërki, que finalmente terminara a Guerra Civil Dämiak, estabelecendo dois estados na região.

O país tem mais de 33 milhões de habitantes, fazendo fronteira com a Confederação das Repúblicas Dämiaks ao norte, Südelbar ao nordeste e com Kylmättä ao sul. Além de ter um território cruzado pelo maior rio da região: o Rio Däm.

Sua maior cidade e capital é Müshiden, por mais que o país reivindique a parte ocidental de Kähninmërki, que atualmente se encontra em domínio da Liga das Nações. A cidade de Müshiden é, juntamente com Yümaschër, o centro econômico do país, concentrando quase que 12% de todo o PIB nacional. Sua região metropolitana é uma das mais populosas de Astarte, tendo em torno de 5 milhões de habitantes.

O país é relativamente avançado industrialmente, não dependendo tanto do setor primário, por mais que ainda há forte influência econômica da agricultura e pecuária no país, principalmente no interior. É uma nação antagonista no cenário internacional, e protagonista no continente, sendo uma das maiores forças continentais economicamente e politicamente, baseado no PIB mundial da Liga das Nações.

O país faz parte da Liga das Nações, da Liga dos Povos Livres e também da Conferência de Kähninmërki, que por mais que seja um tratado, é essencial, pois declara que o país não deve medir esforços numa futura reunificação dämiak, com a outra parte do acordo, no caso, a Confederação das Repúblicas Dämiaks.

Etimologia[editar | hide all | hide | editar código-fonte]

Dämiak vem da junção da palavra däm, que significa grande, e iak, que indica região. Ären tem significado semelhante a acher, chër, ... (e grafias semelhantes), ou seja, é indicador de gentílico.

Numa tradução livre, Dämiakären tem o significado de origem, advindo (ären) da grande região (dämiak).

A escolha do nome foi motivada para se distanciar da antiga monarquia que regeu o povo dämiak.

O termo dämiak para se referir a alguém que nasceu em Dämiakären é incorreto, pois dämiak se refere ao Povo Dämiak ou a Língua Dämiak em geral, não apenas aos dämiak de Dämiakären.

Demografia[editar | hide | editar código-fonte]

A população de Dämiakären segundo o último censo realizado, chega a ser de aproximadamente 33,4 milhões de pessoas, cuja densidade populacional é de 154 habitantes por quilometro quadrado, deixando o país na sexta posição de países mais densamente povoados. 99,7% da população dämiakärense é da etnia dämiak, o restante são mättas que vivm no sul, assimilados com a cultura e a língua local.

O índice de desnvolvimento humano, isto é, o tempo de vida de um dämiak recém-nascido, é de 78,5 anos para homens e mulheres - na média - conforme o Relatório de IDH da Liga das Nações, o que deixa o país em quinto lugar de nações com mais expectatva de vida no planeta. Devido a melhorias e a industrialização do país iniciado em 6008, a melhoria de vida do dämiakärense começou a ser perceptível sem muitos estudos, apenas na visualização do cotidiano, com a cidade de Müshiden liderando o ranking nacional do IDH.

Com os efeitos da Grande Guerra e da Guerra Civil Dämiak, nota-se que há uma imensa comunidade dämiakärense em diáspora, principalmente em Kylmätta, país vizinho ao sul.

Religião[editar | hide | editar código-fonte]

Religião em Dämiakären (6006)
Religião Porcentagem
Antwanismo
  
89%
RTSA
  
7%
Irreligião/Ateus/Agnósticos
  
3%
Outras crenças
  
1%

Dämiakären é, de jure, um estado secular, laico e democrático, mas, na prática, a vida do dämiakärense é regida em grande parte pelo Antwanismo, sob regência da Ordem Antwanica. Segundo o último censo, 89% da população seguia a religão antwanica, trazida as nações dämiaks por Molkäoi, um vesta, que juntamente com Veturno - outro vesta - são os maiores com números de devotos, tendo até uma data especial pros dois: O Dia de Vesta Molkäoi e Vesta Veturno que é feriado nacional por lei desde a fundação do país em 6003.

Os outros por cento, são de pessoas que seguem religiões como a Religião Tradicional de Astarte ou que se declaram irreligiosos, ateus e agnósticos.

Línguas[editar | hide | editar código-fonte]




Circle frame.svg

Línguas de Dämiakären

  Dämiak (97.8%)
  Mätta (2.0%)
  Outras línguas (0.2%)

O idioma oficial no país é o Dämiak, falado por quase 98% da população, sendo currículo obrigatório e amparado seu ensino pela Constituição, que diz que "Para efeitos de proteção e unificação do povo dämiakärense, É OBRIGATÓRIO O ENSINO DA FORMA FALADA E ESCRITA da Língua Dämiak a todos os natos do país em todas as instituições de ensino infato-juvenil da nação. Idiomas estrangeiros não podem se considerados OFICIAIS em nenhum dos municípios ou Unidades da Federação, podendo ter apenas caráter SUB-OFICIAL".

Em segundo lugar, principalmente nas regiões de fronteira com Kylmätta, a língua mais falada é o Mätta.

Governo e política[editar | hide | editar código-fonte]

É uma república parlamentarista, onde o Presidente tem as funções de chefe de governo e de estado ao mesmo tempo. A eleição pra Presidente de forma indireta, onde o partido ou a coalizão de partidos que obtiver a maioria, consegue indicar o Presidente pra um mandato de 4 anos, com direito a reeleição. É uma nação com organização federativa, onde cada província (em dämiak: Näschër) formam uma unidade (federação), tendo uma autonomia pra criar leis de esfera provincial, mas sendo sujeito ao Governo Central.

Parlamento nacional[editar | hide | editar código-fonte]

Relações internacionais[editar | hide | editar código-fonte]

Astarte[editar | hide | editar código-fonte]

Atualmente, a relação com os países vizinhos continentais são boas, tendo um grande avanço principalmente com os países da Liga dos Povos Livres, a qual o país dämiak faz parte. Diferentemente do que acontece no Norte do Rio Däm, o povo dämiak parece não ser tão hostil ao povo Mättä, e a Kylmättä, povo e pais rivais dos damiaks por séculos. Auberon é bem-vista por Müshiden, sendo considerada um bastião da democracia no continente. Ushktëp não tem muitas boas relações com Dämiakären, apenas uma ponte de comunicação formal se mantem, o mesmo valendo pra todas as nações da Internacional. Südelbar e Elysia são aliados de longa data de Dämiakären, sendo países com ótimas relações comerciais e dipolomáticas com a nação do Rio Däm.

Resto do Mundo[editar | hide | editar código-fonte]

Subdivisões[editar | hide | editar código-fonte]

Dämiakären é dividida em 16 províncias, todas elas com autonomia e com direito de estabelecer leis específicas ao seu território. O Governo Federal se encontra em Müshiden, mas reivindica a parte ocidental de Kähninmërki, cidade cuja posse está sob a liderança da Liga das Nações desde o final da Guerra Civil, em 6003.

Infraestrutura[editar | hide | editar código-fonte]

Educação[editar | hide | editar código-fonte]

Se espelhando em outras nações, Dämiakärën constituiu um sistema geral educacional de cobertura nacional afim de ensinar e educar crianças, jovens, adultos e idosos. O resultado foi um grande avanço nas áreas de tecnologia e ciência. Atualmente, Dämiakären é referência no âmbito da ciência, com grandes cientistas surgindo em universidades e institutos de tecnologia, como a equipe de cientistas que ajudou a missão conjunta entre as nações da Liga dos Povos Livres a chegar na primeira lua de Adalar, sendo assim, um polo tecnológico e educacional pra estudantes do mundo inteiro. Hoje Dämiakären ocupa uma boa posição nos rankings de educação, tendo uma porcentagem de 97% de alfabetizados, muito desta porcentagem advinda do forte sistema educacional que a monarquia que regia o país antes da Guerra Civil instituira no território da atual nação de Dämiakärën.

Por lei, é obrigatório a presença das crianças e adolescentes dämiakärënses nas escolas de ensino primário, secundário e terciário do país. O ensino primário é voltado para crianças de 3 a 6 anos de idade, enquanto o secundário vai dos 7 aos 11 e o terciário vai dos 12 aos 17/18 anos, sendo este o último nível da educação inferior do país. A educação é gratuita a todos os estudantes públicos do país e, pela Constituição, deve ser obrigação do Estado disponibilizar o acesso educacional a todos os seus habitantes. Ao ensino superior (este não sendo obrigatório, podendo o estudante optar por um curso técnico) é disponibilizado as universidades públicas nacionais, uma prova geral envolvendo todos os estudantes que se formaram no ensino terceário e, dependendo da nota do teste e o mínimo requerido pela Universidade e a disciplina desejada pra ser aprovado, o aluno pode ingressar no ensino superior sem pagar nada. No campo universitário, Dämiakären tem enormes universidades públicas, como a mais tradicional do país, a Universidade Nacional de Müshidën, alma-mater de grandes influentes nacionais, como o segundo Presidente do país, Renkäni Müshikächër e bem posicionada nos rankings de educação superior mundiais e a Universidade de Yümascher, tradicional também, e que tende a ter notas muito melhores à cada ano nos sistemas de avaliação do ensino nacional e mundial.

Saúde[editar | hide | editar código-fonte]

A Constituição Federal Dämiakärense declara que, a qualquer habitante, seja dämiakärense ou estrangeiro, deve ser disponibilizado através do Programa Nacional de Saúde Pública Dämiakärense atendimento médico gratuito. O plantel médico é suprido através de concursos públicos e parcerias com disciplinas de medicina em universidades federais do país. Cada província tem também seu próprio sistema de saúde pública, que por lei, deve também ser gratuito. Hospitais particulares também são uma forma de acesso a saúde de uma parcela da população que necessita de atendimento mais rápido ou complexo, mas a própria Constituição declara que todas as instituições de saúdes, seja privada ou pública, devem dar atendimento gratuito em caso de ataque bélico ou desastre ambiental. Campanhas de vacinação são feitas constantemente pelo Ministério da Saúde do país, além de campanhas de conscientização contra drogas, álcool, tabagismo e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

A democratização da saúde pública, por mais que tenha críticas, ajudou a diminuir a mortalidade infantil, que tinha um nível alto durante a Guerra Civil Dämiak, que rapidamente diminuiu vertiginosamente conforme o país reestruturou sua infraestrutura. Hoje, de 96 mortes ao nascer e durante os primeiros anos de vida, a taxa da mortalidade infantil reduziu pra apenas 14. O sistema de saúde do país nota que as doenças mais comuns entre os habitantes da nação são o câncer e a hipertensão (e outras doenças cardiovasculares), com o Ministério da Saúde destinando uma de suas secretarias pro combate e tratamento dessas doenças.

Esse artigo é sobre um estado-soberano da Liga das Nações.