Patiw

De UBRwiki
Ir para navegação Ir para pesquisar
Patiw
pàtì’`w
Bandeira nacional
Brasão Patiw
Brasão
Gentílico:

Localização Patiw

Localização de Patiw no continente de Astarte
Capital á'í pá
Governo Democracia Parlamentarista
Área  
 - Total 105,852,25 km² 
População  
 - Censo 6010 5,832,913 hab. 
 - Densidade 55 hab./km² 
Cód. ISO PAT
Cód. Internet .pa
Cód. telef. +13

Patiw (em í'á, pàtì’`w) é um país insular situado no nordeste do continente de Astarte. Cercado pelas águas do oceano Cerulean. Tem uma pequena fronteira ao sul com Südelbar. É próximo do continente, onde está o Reino Trussiano.

Clima[editar | hide | editar código-fonte]

Patiw Clima.png

O clima de Patiw é Af, ou clima de floresta tropical.

Topografia e hidrografia[editar | hide | editar código-fonte]

Fauna e flora[editar | hide | editar código-fonte]

Municípios[editar | hide | editar código-fonte]


Mapa dos Municípios do Patiw

PRÉ-HISTÓRIA[editar | hide | editar código-fonte]

Há cerca de 10 mil anos atrás, os povos originários habitavam a parte sul da ilha 2 (maior). Nesse período esses povos moravam em ocas e viviam da caça e da agricultura, que era favorecida pelas chuvas que ocorriam na região. Por causa da forte influência humana, a ilha maior perdeu gradativamente parte da sua fauna. Dessa forma, os grandes animais sofreram extinções em massa na segunda ilha. As culturas nas ilhas tinham como base um sistema tríplice, onde os povos eram divididos em: homens religiosos, caçadores e agricultores.


Os homens religiosos eram considerados os mais sábios das aldeias, e pelo fato de que nesse período não existia a escrita, eles só podiam repassar os seus ensinamentos para as pessoas mais novas da aldeia através da oralidade e de pequenas histórias. Os caçadores eram os responsáveis por caçarem animais e por montarem armadilhas para afastar populações de aldeias rivais. Os agricultores eram os responsáveis por alimentar as aldeias. Eles tinham a tarefa de fornecer meios de manter a alimentação da população, que sempre estava em crescimento.

INTRODUÇÃO DA ESCRITA[editar | hide | editar código-fonte]

Séculos mais à frente, as aldeias da parte sul e central passaram por processos de expansão, pequenas batalhas e anexação. Nesse período se formaram as primeiras sociedades e cidades maiores da ilha 2.


A introdução da escrita na ilha 2, ocorreu após a descoberta da ilha por povos do continente. Nesse período, as populações das grandes aldeias da parte sul da ilha se fascinaram pelos objetos que eram trazidos pelos povos que se intitulavam povos Bärles (povo do norte de Südelbar). Os povos originários da costa da ilha 2 começaram a realizar trocas de com o povo Bärles, dessa forma, o excedente de lã, das carnes de porco e das árvores das aldeias eram trocados por armadilhas e tecnologia mais sofisticadas de Bärles. O mais importante desses foi um alfabeto, que impulsionou a velocidade de transferência de informações. Quando o povo Bärles introduziu barcos, o povo da ilha maior podia explorar as outras ilhas, onde a população expandiu. Novas ideias sobre a agricultura e medicina aumentaram a expectativa de vida bastante. Logo depois, o povo das ilhas começava trocando com outros povos pelo mar Cerulean. Por causa da troca principal sendo o gado, outros animais selvagens das ilhas 3, 4, e inclusive 5, ficaram extintos por causa dos caçadores. Apenas a ilha menor mantinha sua fauna intocada pela caça. Finalmente, esta mudança exigiu outras mudanças na economia.

O SECULO MODERNO[editar | hide | editar código-fonte]

A começa do século moderno foi marcado pelo início do governo primeiro kapiwnês. Foi uma aliança entre os kapiwnêses do sul da segunda ilha. O governo tentou garantir mais seguranças entre os trabalhadores lá. Logo depois, os caçadores - ou ciganos que viajaram pelo mar cerulean -- pegou a idéia de democracia. Eles formaram um governo diferente -- foi muito útil porque todo mundo podia fazer parte, enquanto o da ilha maior só permitiram os kapiwnêses. Por isso, houve uma guerra entre o século 15 e 16, onde o governo das ilhas 1, 3, 4, e 5, e cada kapiwnês fora da área, agiu para incluir a segunda ilha. No entanto, o povo da segunda ilha, com uma vida diferente, não entrou. A guerra terminou em acordo financeiro - o povo da ilha maior forçou uma tarifa sobre seus bens e concordou em participar apenas se a área do país não crescer. O país gastaria o dinheiro nos próximos séculos para que as ilhas tivessem melhor infraestrutura.

Dados demográficos[editar | hide | editar código-fonte]

Referências[editar | hide | editar código-fonte]

Esse artigo é sobre um estado-soberano da Liga das Nações.