Ushktëp

De UBRwiki
Ir para navegação Ir para pesquisar
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Ushktëp (desambiguação).
Shktëp nlat Nivema
União do Ushktëp
Ushktëp.png
SeloKatepa.png
Bandeira Ushktëp Selo de Ushktëp
Lema: "Nós somos por nós unidos, assim nos encontramos"
Hino nacional: Yei Ushktë!
Gentílico: Ushktëp

Localização Ushktëp

Capital Bïmesi
Cidade mais populosa Mashan
Língua oficial Ndrita, hOuberi e Nemenoi
Governo Republica Socialista Kätepa
 - Secretario Geral Rotmë Tslkszrtmblçi
Área  
 - Total 262'603 km² 
População  
 - Estimativa para 6010 40.883.114 hab. 
 - Censo 6010 40.883.114 hab. 
 - Urbana 31.888.829 hab. 
 - Densidade 139,56 hb/km² hab./km² 
PIB (base PPC)
 - Total $ 55 631 milhões 
 - Per capita $ 1.517,86 
Moeda Danar (DNR)
 - Verão (DST) +1
Org. internacionais Internacional Socialista
Cód. ISO USH
Cód. telef. +03

Ushktëp ( Shktë /ʃkte/ ), oficialmente União do Ushktëp ( Shktëp nlat Nivema /ʃkte əg niˈvɛma/ ) é um país localizado em Astarte Oriental, de acordo com um censo de 6010 a população Ushktëp está por volta dos 40 milhões, Ushktëp é o ??? país mais populoso do mundo. Mashan é a maior cidade e Bïmesi é a capital do país. O país está estrategicamente localizado na fronteira entre Astarte e Eucadia, tem fronteiras terrestres com Auberon, Hallestein, Tulysanne e Kakhabad.

Etimologia[editar | hide all | hide | editar código-fonte]

Ushktëp é o nome Ndrita para o sistema socio-ecônomico regional que se difere da maior parte do resto de Astarte, embora as origens do nome sejam duvidosas devido a alta capacidade de mutação vocálica da língua Ndrita, a maior parte dos etimologistas concorda com a hipótese oficial de Auberon e Ushktëp, que acredita que o nome deriva do termo clássico ksëp (habitual), alguns linguistas Helgens apontam que a derivação não segue as regras evolutivas conhecidas da língua Ndrita e propõe a origem na palavra zegte (soro de queijo).

Pré-História[editar | hide | editar código-fonte]

Os traços mais antigos de hominídeos no que é agora o país datam de aproximadamente 2 milhões de anos atrás. Eles foram confrontados por um clima severo e variável, marcado por várias eras glaciais. Os primeiros hominídeos levavam a uma vida nômade de caçadores-coletores. Ushktëp tem um grande número de cavernas decoradas da era paleolítica ainda preservadas, diversas culturas habitaram a região e são concomitantes com culturas em Auberon, Liskowalda e Hegeldoff, particularmente famosas são as Culturas da Pedra Pictórica e os registros nas cavernas perto do monte Sësm, que parece ter exercido função religiosa de importância desde essa época.

Neolítico[editar | hide | editar código-fonte]

Por volta do final do ultimo período glacial a região de Ndrita adentra o neolítico, em conjunto com Auberon e Hegeldoff, após demasiado excedente do desenvolvimento agrícola e demográfico culminou no desenvolvimento da metalurgia na região cerca de 600 anos antes do ano zero. Construções megalíticas começam a surgir a partir do ano 100, uma delas, as pedras de Karna, continuam intrigando os que visitam a costa de Bïmesi até os dias de hoje.

Antiguidade Passada[editar | hide | editar código-fonte]

Civilização Anterior[editar | hide | editar código-fonte]

Segundo estudos dos antropólogos Hans e Léan von Nelli e evidencias arqueológicas, uma civilização pré-astarteana se desenvolveu ao longo das margens do sul do Cerulean, se estendendo do Norte Auber, pela costa, até Muntringfurl, se acredita que seria um conjunto ou liga de cidade-estados interdependentes que praticavam o comercio de itens diversos, contribuições e escavações conduzidas pelo antropólogo Johann L. Wintwock indicam que eles possuíam um sistema de escrita primitivo ou pelo menos um sistema de registro, não muito mais se sabe além disso; No final do seu mais recente trabalho, Léan diz acreditar na possibilidade dos últimos descendentes vivos desta civilização serem os povos Basandere que habitam agora o noroeste de Auberon.

Invasões Ocidentais[editar | hide | editar código-fonte]

Segundo registros orais dos Ushktëps, Nem, Aubers e Helgens, seus povos invadiram os arredores do Cerulean do Sul durante o começo da era do Bronze, o registro mais antigo que temos da presença destes além das montanhas é um pingente de madeira tipicamente Nem encontrado próximo a Alastaire. essa invasão parece ter posto um fim a civilização anterior, referida pelos Aubers como "Gente Cinza" e pelos Nem como "Pessoas do Sol", os Ndritas não fazem referencias a estes povos, após a invasão a vida campestre em Ushktëp se diferenciou da Auber e da Nem, ao contrario da Auber e de Nem com o nomadismo pastoril e a pesca, os Ndritas e os Houberos cultivavam apenas itens essenciais como os vinhedos e o chá, e sua subsistência permanecia advinda da criação de ovelhas e cabras, sem a transição completa para o grão.

Era Palaciana[editar | hide | editar código-fonte]

Na planície de Math-Hartë diversos governos de grão começaram a surgir e se proliferar devido a seu acesso relativamente fácil a terra cultivável e clima agradável, eles construiram grandes palácios que podem ter ajudado a definir o estilo arquitetônico regional, eles tinham um silabário escrito que é origem da maior parte dos sistemas de escrito de Astarte e Tennelan, este no entanto ainda não foi plenamente decifrado. Se acredita que essa era é fonte de inspiração de muitos dos mitos Ndritos posteriores, com seus conflitos e reis sendo frequentemente misturados a personagens completamente fictícios e a monstros.

Período dos Tëpap[editar | hide | editar código-fonte]

Mapa das colônias ndritas no Cerulean durante a era Clássica.

A era palaciana termina com a expansão do modelo das cidades estado e a renovação cultural regional, é principalmente marcada pelo estabelecimento de cidades que marcariam o resto da cultura popular local e o desenvolvimento dos Tëpap, cidades estado que popularam todo o mar central. Outras características marcantes são as muitas guerras por recursos e honra travadas, as muitas ligas formadas, e o desenvolvimento da arte e filosofia Ushktëp, começando com a filosofia de Modëni, Rins e Muvintem.

Durante o pico de expansão dos Tëpaps nos temos a colonização e expansão de seu sistema político e econômico ao longo do Cerulean, moldando a formação cultural e política regional, além de ter grande impacto sobre o futuro de tais áreas. Um local em que tal impacto foi mais sentido foi durante a colonização da Ndrita-Maior, nome dado pelos Ndritas ao que hoje é Helgedoff.


Império de Bïmesi[editar | hide | editar código-fonte]
Segundo Grande Declínio[editar | hide | editar código-fonte]

Unificação Ushktëp[editar | hide | editar código-fonte]

Grande Guerra[editar | hide | editar código-fonte]

Revolução Ushktëp[editar | hide | editar código-fonte]

Geografia[editar | hide | editar código-fonte]

Ushktëp está situada no extremo-leste de Astarte, faz fronteira com três países, a União de Auberon, o Reino deTulysanne e ao Império de Hallestein, nas fronteiras noroeste, oeste e sudoeste respectivamente. Sua área total é de 262'603 km². as variadas paisagens de Ushktëp são o produto de complexos movimentos telúricos que deram forma à região ao longo de milhões de anos e ainda se manifestam em terremotos relativamente frequentes.

Características relevantes são a Cordilheira de XXX, a Cordilheira da Península, a península de Nem, o Planalto de Math-Hartë e o Arquipélago Ndrita. O ponto mais alto de Ushktëp é a montanha de Zhagxara, com 6.298 metros de altitude, localizada em Nem, o segundo ponto mais alto se localiza a 15 km desta, chamada pelo nome de Hlenzagxara, com 5.983, outros picos culminantes são Sësm, 3.281 metros, em Mashan, e Zumët, 3.012 metros, na fronteira com Auberon, essas formações se estendem por grande parte da área total do país, com 40 porcento de Ushktëp sendo montanhosa.

Clima[editar | hide | editar código-fonte]

Ushktëp tem um clima úmido e ameno. As temperaturas médias são de 5 °C no inverno e 18 °C no verão na região de Ushktëp própria, em Nem, principalmente no oriente, a temperatura média no inverno alcança os -15 °C e geralmente não sobe acima dos 5°C no verão, Nem também é muito mais seca do que Ushktëp própria, que recebe devido aos ventos oceânicos quentes chuvas pelo ano todo, as chuvas mais intensas caem nas regiões montanhosas perto do litoral ocidental. A média pluviométrica nessa região é de cerca de 1 500 mm por ano, havendo alguns pontos que alcançam 2510 mm por ano. As planícies recebem cerca de 760 mm de chuva por ano. As inundações constituem problema em algumas partes do país.

A região de Math-Hartë constitui o mais longo período propício de cultivo agrícola em Ushktëp, devido ao seu clima moderado e chuvas abundantes. Em muitas áreas dessa região, as pastagens chegam a poder ser utilizadas durante o inverno, outras áreas agrícolas importantes se situam nos arredores de Mashan e a Planície da Península.

No inverno, a neve nas montanhas possibilita a prática de esportes de inverno. A neve é rara acima de Bïmesi em áreas não montanhosas.

Demografia[editar | hide | editar código-fonte]

A população de Ushktëp é de aproximadamente 36,3 milhões de pessoas, com uma densidade populacional de 140 habitantes por quilometro quadrado. Os Ushktëps se dividem em 4 grupos étnicos principais, Os Gek e os Toths, os Nem, que vivem em uma península no extremo sul, e os Houberos, que vivem no norte de Mashan e se identificam linguisticamente com os Aubers.

A esperança de vida ao nascer é de 74,5 anos para as mulheres e 68,1 anos para o homens, homens tendem a ter emprego de período completo enquanto mulheres tendem a possuir empregos de meio período, investimentos em educação e na criação de creches além do direito a licenças paternidade e maternidade garantiram maior capacidade aos pais de crianças de manterem empregos e participarem na economia do país. Os Katepas desfrutam de férias de 2 semanas por ano.

Durante a Grande Guerra muitos Katepas migraram para fora do país criando comunidades de diáspora.

Religião[editar | hide | editar código-fonte]

Ushktëp é um país secular e a liberdade religiosa é um direito constitucional. O governo não mantém estatísticas sobre adesão religiosa, no entanto existem algumas estimativas não oficiais. O Dualismo Tëpa tem sido a religião predominante no país desde o começo de sua existência, embora não seja tão ativamente praticado hoje como era antes.

Uma pesquisa realizada por um grupo religioso local descobriu que, enquanto em 5999, só 76% dos cidadãos se declaravam dualistas, as teorias filosóficas tradicionais Ushktëps também exercem grande influencia sobre os cidadãos do país, mesmo com os que se declaram irreligiosos se declarando crentes em alguma das vertentes principais ou outras.

Religião em Ushktëp (5999)
Religião Porcentagem
Dualismo Tëpa
  
76%
Irreligião
  
15%
Antwaanismo
  
8%
Outras crenças
  
1%

Desde a revolução o governo ushktëp tem seguido o princípio da laicidade, em que é proibido de reconhecer qualquer direito específico de uma comunidade religiosa. Em vez disso, o governo apenas reconhece as organizações religiosas, de acordo com critérios formais legais que não tratam a doutrina religiosa. Por outro lado, as organizações religiosas devem abster-se de intervir na elaboração de políticas.

Línguas[editar | hide | editar código-fonte]

Ushktëp tem grande diversidade linguística. A Constituição da reconhece 3 línguas oficiais, o Nemenoi, com padronização na lingua Shkinvali Neme; Ndrita, com padronização no dialeto de Bïmesi, e o Houbero.

O ndrita é a língua oficial mais falada no país, de acordo com o censo de 6008, uma vez que é falado por 72,4% da população como primeira língua ou segunda língua. Todos os documentos legais e oficiais emitidos pelo Estado, incluindo a constituição, as principais instituições públicas e privadas, a mídia e as atividades comerciais são feitas em ndrita.

Governo e Política[editar | hide | editar código-fonte]

Em Ushktëp a lei fundamental é a Constituição, criada no mesmo ano da revolução, todas as outras leis devem respeitá-la. A constituição sofreu algumas revisões. Está previsto na Constituição a realização de referendos de consulta popular, as bases constitucionais também se repetem com as estruturas como o Código das Bases.

Ushktëp tem 2 órgãos soberanos: O Secretariado Geral ( poder executivo e parte do poder legislativo ) e a Secretaria da Paisagem ( outro componente do poder legislativo ) vigora no país um sistema parlamentarista em que os sindicatos e conselhos elegem entre si representantes para suas cadeiras representativas em seus respectivos sindicatos majoritários, que então elegem representantes para o secretariado geral, estes com direito de serem reconvocados por seus respectivos sindicatos com maioria simples se for considerado que eles estão trabalhando contra os objetivos do resto do grupo, o secretariado geral decide política externa, questões de interesse nacional e propões legislação a Secretaria da Paisagem. A Secretaria da Paisagem delibera questões locais e delimita currículos acadêmicos, ela tem poder de discussão e pode barrar propostas de lei com maioria de dois terços, sendo eleita diretamente como representante dos Tetraps por voto popular.

O Secretario Geral exerce as funções de comando, como Comandante Supremo das Forças Armadas (Exército, Armada, Força Aérea, Guarda Nacional Republicana); a de representação formal do Estado Ushktëp no estrangeiro e nas relações internacionais, nomeadamente na de ratificação das convenções ou tratados internacionais e na recessão das credenciais de embaixadores estrangeiros; nomeadamente as Leis da Assembleia da República, os decretos-lei e os decretos-regulamentares do Governo, bem como requerer a fiscalização da constitucionalidade destes diplomas, conferir condecorações e exercer o cargo de grão-mestre das ordens honoríficas. Cabe, ainda, ao Secretario, sob proposta do Governo, a nomeação e exoneração de embaixadores e dos mais altos cargos militares (chefes de estado maior), bem como a nomeação do Procurador-geral da União. Cabe ao secretario sobre ordem do Secretariado geral declarar a guerra e fazer a paz, declarar o estado de emergência e o de sítio e indultar e comutar penas.

Desde os 10 anos da revolução e a concretização de um sistema parlamentar moderno, os secretários tem se dividido em 3 principais esferas: Os Governistas de Mercado, Os Reformistas-Maiaistas e os Totalistas, todas essas tendo visões diferentes para o progresso revolucionário de Ushktëp e o futuro do país e dividindo opiniões até as bases do governo. A formação desses grupos se torna essencial para a manutenção da democracia em Ushktëp e seu funcionamento.

Subdivisões[editar | hide | editar código-fonte]

Os *Tetraps* são as divisões nacionais de Ushktëp. Existem 34 tetraps no total, que são ainda subdivididos em 134 prefeituras, 2 deles tem autonomia legislativa e judicial em relação ao governo central, por terem cultura única ou ser base religiosa.

SubdivisõesUshktep.png
Região Capital População Região Capital População
1 Bïmesi Bïmesi 3.808 17 [[]] [[]]
2 Beftalune Beftalune 15.549 18 [[]] [[]]
3 Tip O ponto 18.811 19 [[]] [[]]
4 Raba Raba 8.259 20 [[]] [[]]
5 Planoplana Planoplana 14.157 21 [[]] [[]]
6 Ulöve Ulöve 9.203 22 [[]] [[]]
7 Meio Meio 2.307 23 [[]] [[]]
8 Setentrional Seten 3.836 24 [[]] [[]]
9 Fjord Fjord 15.490 27 [[]] [[]]
10 Verdão Verdão 5.286 28 [[]] [[]]
11 Ulöve do Norte Ulöve do Norte 14.037 29 [[]] [[]]
12 Branquinho Patras 11.350 30 [[]] [[]]
13 Cista Cista 9.451 31 [[]] [[]]
14 Fronteira Fronteira 9.451 32 [[]] [[]]
15 Mais Encima Mais Encima 9.451 33 [[]] [[]]
16 Thërandep Thërande 9.451 34 [[]] [[]]
Estado autônomo Capital População Estado autônomo Capital População
25 Skërop Skërop 390 26 [[]] [[]] 390

Economia[editar | hide | editar código-fonte]

Desde a unificação a economia Ushktëp teve forte fator industrial com as bases indústrias já formadas pelas alianças do pré-guerra, no entanto a grande guerra destruiu grande parte da infraestrutura de base dessas indústrias.

Os primeiros anos do pós-guerra viram a implementação de planos quinquenais e a reconstrução por meio do trabalho voluntário em massa. O campo recebeu eletricidade e a indústria pesada foi reabilitada. A economia foi organizada como uma economia mista de planejamento socialista e socialismo de mercado: fábricas foram nacionalizadas e trabalhadores tinham direito a uma certa parcela dos lucros. Manufaturas de propriedade privada podiam empregar até 4 pessoas por proprietário. A terra foi parcialmente nacionalizada e redistribuída, além de parcialmente coletivizada. Propriedades rurais podiam possuir até 10 hectares de terra por pessoa e o excesso de terra cultivável era de propriedade de cooperativas.

A autogestão socialista foi introduzida a cerca de 10 anos, reduzindo o controle da economia pelo Estado. Gerentes de empresas de propriedade social são supervisionados por conselhos operários, compostos por todos os funcionários, com um voto para cada. Os conselhos também elegem a gerência das empresas, frequentemente por voto secreto. Isso levou a um rápido crescimento na economia Ushktëp até a virada do milênio, a possibilidade de emigração livre por emprego para outros países também contribui para um aumento das receitas locais e controle do desemprego.

Uma série de serviços básicos são financiados pelo Estado, como educação e saúde. No setor industrial, a indústria pesada e a produção de bens de consumo são as bases da economia Ushktëp, o turismo também é visto como um ponto de atração.

Infraestrutura[editar | hide | editar código-fonte]

Energia[editar | hide | editar código-fonte]

Usina Hidrelétrica em Bërebat, leste de Mashan

A rede elétrica de Ushktëp cobre quase todo o país, menos as áreas mais isoladas em Nem. Ela se forma ao redor de usinas de carvão espalhadas por todo a sua extensão, tendo em Mashan um pequeno projeto de usinas Hidrelétricas que fornecem cerca de 38% da energia do arquipélago. A dependência no gás natural Elysio é criticada amplamente pela frente totalista do governo, que procura assegurar uma forma de garantir independência energética Ushktëp até o fim da próxima década, diversos projetos já foram propostos e discutidos, entre eles a energia Atômica é vista como uma boa possiblidade, por ser barata e teoricamente muito mais eficiente que qualquer outro método já utilizado.

Ciência e tecnologia[editar | hide | editar código-fonte]

A tecnologia Ushktëp é conhecida por embora ser avançada em diversos aspectos de produção, automação e desenvolvimento de produtos de consumo, ser muito atrasada em tecnologia militar e aeroespacial, dependendo fortemente em desenvolvimentos externos em ambas, o país tem um programa de exploração espacial limitado.

Ushktëp sempre foi um polo universitário e tecnológico em Astarte, na era antiga forneceu as bases para a civilização Astarteana com seus desenvolvimentos nas esferas econômicas, culturais e sociais. Atualmente continua sendo líder em desenvolvimentos nas ciências sociais e tecnologia de base.

Transporte[editar | hide | editar código-fonte]

O transporte em Ushktëp é realizado por uma variedade enorme de modais, depois da reconstrução do pós guerra vemos uma maior dependência no transporte publico e o transporte se tornando essencial a economia do país. No entanto, devido à má manutenção, grande parte dos transportes por estradas e pela aviação civil estão ultrapassados e tecnologicamente atrasados em relação a Auberon. No entanto o transporte marítimo e ferroviário se mantém em desenvolvimento e diversas propostas de renovação dessas áreas ainda são vistas como essenciais e mantidas atualizadas, no entanto um dos grandes problemas é a diferente bitolagem entre as vias de aço do país.

Educação[editar | hide | editar código-fonte]

Prédio principal da universidade de Thërande

A alfabetização em Ushktëp remonta ao desenvolvimento dos Ushktëps durante o período palaciano com o desenvolvimento do Silabario Nuli, que parece ao contrario dos outros sistemas de escrita no mundo ter evoluído espontaneamente para um silabario sem ter antes sido logografico, nessa época a educação formal era restrita a uma aristocracia letrada e a escribas registrados, a educação mudou drasticamente durante a Era dos Muitos Príncipes, com os maiores estados da época formando centros acadêmicos específicos para classes privilegiadas, mas também escolas mistas que ensinavam escrita, leitura e aritmética. Graças a esse sistema, um pouco antes do começo da era contemporânea, Bïmesi tinha quase 45% da população alfabetizada.

Armazenagem em uma escola em Beftalune

Desde a revolução e unificação, a educação obrigatória em Ushktëp inclui a educação infantil, o qual dura 6 anos (dos seis aos onze ou doze anos) e o ensino fundamental, o qual dura três anos. Quase todas as crianças continuam seus estudos indo para o ensino médio, de três anos e, de acordo com o Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia, cerca de 86,9% dos formandos do ensino secundário cursaram a universidade, a educação profissional, ou outros cursos pós-secundários em 5999.


O ano letivo tem início em abril e pode ser dividido em dois ou três períodos. O currículo de cada série é determinado pelo Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia, bem como há avaliações periódicas do material escolar utilizado.


A Educação é muito competitiva, em especial, o ingresso em instituições de ensino superior. De acordo com o Suplemento de Educação Superior de um importante jornal Auber, as universidades mais importantes de Ushktëp são a Universidade de Beftalune, a Universidade de Thërande e a Universidade de Mashan.

Saúde[editar | hide | editar código-fonte]

O sistema de saúde nacional é baseado em um sistema de seguro total. O Estado subsidia o sistema, que está disponível para todos os cidadãos Ushktëps, todos os prestadores de serviços médicos e hospitais no país são subordinados ao Ministério da Saúde, que fornece supervisão e fiscalização da medicina geral, além de ser responsável pela administração do cotidiano do sistema. Além desses papéis, o ministério também está encarregado da manutenção de normas de higiene e de cuidados do paciente. Um artigo de formação da constituição da União de Ushktëp deu a todos os cidadãos o direito à assistência médica e acesso gratuito a todas as instituições de saúde no país. Após a revolução socialista, a expectativa de vida para todas as faixas etárias dos habitantes do país subiu. Estas melhorias continuam até hoje e seguem o declínio massivo da mortalidade infantil também observado no país.

Cultura[editar | hide | editar código-fonte]

Os remanescentes físicos da cultura da Ndrita clássica conservam-se principalmente em Ulöve, Mashan, Skërop e outros sítios, enquanto as esculturas e outros objetos de arte exibidos nos museus, e dos principais centros culturais do mundo constituem uma lembrança permanente de copiosa herança cultural ndritia, que ainda continua viva na educação dos cidadões locais. Na era moderna se destacam grandes contistas e poetas que continuam e criticam a tradição clássica, em sua maioria parte da nova onde de artistas pós-revolucionários.

Dança de música folk Nem

Ushktëp tem sido um centro de criação cultural por séculos. Muitos artistas estiveram entre os mais famosos de seu tempo e o país ainda é reconhecido no mundo pela sua rica tradição cultural. Os sucessivos regimes políticos que sempre promoveram a criação artística e a criação do Ministério da Cultura após a revolução ajudaram a preservar o patrimônio cultural do país e torná-lo disponível ao público. O Ministério da Cultura tem sido muito ativo desde a sua criação na concessão de subsídios aos artistas, promovendo a cultura ushktëp no mundo, apoiando festivais e eventos culturais, além de proteger monumentos históricos. O governo também conseguiu manter uma exceção cultural para defender produtos audiovisuais feitos no país. A cultura Nem também não pode ser deixada de lado: com uma rica e vibrante tradição musical, conhecida principalmente por seu desenvolvimento precoce de polifonia. A polifonia Nem é baseada em três partes vocais, um sistema de sintonia única, baseada em quintas perfeitas, e uma estrutura harmônica rica em quintas paralelas e dissonâncias. Cada região de Nem tem a sua própria música tradicional, e o diálogo polifônico sobre um fundo baixo e solistas como no oriente, harmonias improvisadas complexas no oeste, e os acordes que se deslocam sólidos no sul.

Belas Artes[editar | hide | editar código-fonte]

Uma das obras características do movimento impressionista Ushktëp.

As primeiras manifestações artísticas vêm do período pré-histórico, em estilo pré-clássico ou pré-solar. Após essas distinções iniciais, a arte Ushktëp conheceu um primeiro momento de maturidade durante o período arcaico. Marcado pela expansão geográfica, pelo desenvolvimento econômico e pelo incremento das relações internacionais, assistiu-se nesta altura à definição dos fundamentos estéticos e formais que caracterizarão as posteriores produções artísticas nacionais. Essa arte inicial ficou conhecida pelo seu foco na arte racionalista e de disputa filosófica entre as 3 principais escolas ndritas. Após o fim do domínio auber temos o predomínio da arte litúrgica e de uso cerimonial, como em livros decorados e pequenos adornos de instrumentos de cozinha, isso se segue com o rococó tardio e um resgate da filosofia das formas verdadeiras característica de uma das escolas filosóficas katepas, preocupado em recuperar glorias passadas e reformar um ideal do que era ser membro cultural.

A influência Ushktëp sobre a pintura tornou-se ainda mais importante, com o desenvolvimento de novos estilos de pintura como o impressionismo e o simbolismo. ambos negavam o rococó simbólico anterior e prezavam o subjetivismo presente.

Após a revolução vemos um maior foco no realismo anti-escapista característico de uma das escolas de pensamento mais arcaicas de Ushktëp, retratos fieis da realidade se tornam emblemáticos da arte ushktëp, no entanto muitos museus no país são inteiramente ou parcialmente dedicados a esculturas e obras de pintura antecedentes, preservando assim parte da historia nacional.


Esse artigo é sobre um estado-soberano da Liga das Nações.