Wainui

De UBRwiki
Ir para navegação Ir para pesquisar
Ripuwlka e Wainui
República de Wainui
Bandeira de Wainui.png
Coat of Arms Wainui.png
Bandeira Brasão
Gentílico: Wainu

Localização

Localização de Wainui em Adalar.
Capital Nunoa
Cidade mais populosa Nunoa
Língua oficial Keruwa Wainu
Governo República Presidencialista
 - Presidente Kyan Kedgachain
 - Vice-presidente Jismin Powell
Área  
 - Total 407 177 km² 
População  
 - Estimativa para 6001 19 315 788 hab. 
 - Censo 6000 19 124 543 hab. 
 - Densidade 46,97 hab./km² 
IDH (6000) 0,283  – baixo
Fuso horário UTC −8 e UTC −7
Org. internacionais Liga das Nações
Cód. ISO WAI
Cód. telef. +11

Mapa

Wainui (Pronunciado em Keruwa Wainu: [waɪ.nwi]) ou Ilhas Wainui, oficialmente República de Wainui (em Keruwa Wainu: Ripuwlka e Wainui) é um país insular membro da Internacional Socialista, constituído de 2 ilhas principais e 11 ilhas menores. Está localizado a no continente da Transletânia, a oeste de Kawsalpa e a sudoeste de Grinquercheve, sendo estas fronteiras marítimas. Sua capital Nunoa é localizada na Ilha Akala, próxima do Mar Letão.

Etimologia[editar | hide all | hide | editar código-fonte]

O nome Wainui veio do keruwa antigo falado pelos nativos que viviam no território que hoje compreende Wainui. O nome significa amplamente: "Águas que vão e águas que vêm" que se dá da junção dos termos [wa], [i], [nu] e novamente [i]. Os nativos observavam as marés em certas partes da costa e perceberam que eram verdadeiramente traiçoeiras. Ainda nos dias atuais há relatos de mortes por conta dessas marés. São pequenos barcos que ficam presos em bancos de areia ou em pedras afiadas nas bases da costa.

Períodos de Calmaria[editar | hide | editar código-fonte]

Até serem colonizados, os povos que habitavam as ilhas de Wainui não viviam em exata harmonia, porém, grande parte das tribos procurava apenas proteger-se e sustentar-se. Os nativos dessa ilha eram os Nandu, povo que ainda hoje compõe 2% da população Wainu e os Wainus atuais descendem dos Nandus. Também havia algumas tribos que se unificavam sob únicos nomes, como as tribos Eruera, Tahana, Kauri e Winiata (além de muitas outras, porém, estas eram as maiores e as primeiras que foram documentadas por colonizadores Aubers) e lutavam por poder regional entre si, tendo suas próprias formas de governo mas ainda extremamente primitivas. Esse período foi, por um grande tempo, calmo e Wainui era para ser uma ilha isolada do mundo, com apenas alguns piratas pegando barcos e abordando pequenos barcos comerciais da região com o intuito de adquirir riquezas para suas tribos. Wainui naquele tempo era tecnologicamente para trás, porém, grandes coisas aconteceriam.

A Colonização[editar | hide | editar código-fonte]

Um tempo após os Aubers chegarem em Kawsalpa, viraram seus olhos para uma grande ilha ao oeste do país. Não demorou para atracarem seus barcos na ilha de Akala, na cidade de onde hoje é Nunoa. A ilha de Wainui levou grandes riquezas para os Aubers, por ter muitos recursos naturais que os mesmos exploraram extensivamente. Nessa época que chegaram em Wainui, missionários Antwanistas montavam vilarejos mistos entre nativos e aubers na região, convertendo os nativos ao Antwanismo no processo. Obviamente que não foram todas tribos que aceitavam isso livremente, muitas delas, especialmente a Tahana, declararam uma guerra indireta em Auberon. Porém, os missionários Antwanistas usavam dos Wainus agora convertidos para atacarem os Tahanas, armando-os com mosquetes e colocando-os um contra os outros propositalmente para que não houvesse derrame de sangue auber na conquista total da ilha. Além dos soldados que não se voluntariavam a matar em nome de Auberon (que se tornavam "soldados aubers"), muitas tribos faziam escambo por mosquetes direto de Auberon para usar no combate contra outras tribos, dando vastas quantidades de bens Wainuis por eles, o que também ia a favor de Auberon pois involuntariamente fazia a tomada total da ilha mais rápida e enriquecia os mesmos. Essas tribos maiores que lutavam uma contra outra vendiam território conquistado para Auberon muitas vezes, em troca de armamento e algumas tribos menores simplesmente se submetiam ao exército superior auber para não deixarem seu povo morrer. A ilha era lentamente sendo totalmente domada e conquistada, com apenas algumas tribos ainda fortes, que recusavam o Antwanismo e ainda estavam independente de Auberon.

Independência?[editar | hide | editar código-fonte]

Até esse período, Wainui foi controlada pela colônia auber em Kawsalpa de 5743 a 5745, porém depois tornou-se "independente", tendo sua própria regência, primeiramente de 5745 Adare Nolwenn governou até 5801 quando passou o governo para Cathal Aidan que durou até aproximadamente 5865 e após isso passou para Irich Flanagan que governou de 5865 até 5912 e por último Jay Utriwich que governou até a revolução em 5965. Mais de 222 anos de conflitos internos foram financiados pelo Império Auber e sangue Wainu derrubado para a formação de uma colônia. Mesmo que houvesse investimento para industrialização de Wainui, de infraestrutura, os nativos queriam governar para si mesmos. Nos últimos anos da regência de Aidan, antes mesmo da Grande Guerra acontecia juntamente de um sentimento nacionalista se formou nas tribos que ainda estavam independentes, estes não querendo mais que houvesse ocupação Auber naquele país. Esse sentimento se espalhou até para wainus que estavam servindo na "Guarda Nacional de Wainui", um regimento do exército auber formado apenas por nativos, que ao serem informados que teriam que lutar na guerra desertaram e voltaram para suas raízes, e até mesmo alguns aubers se juntaram a Wainui, juntando-se às tribos e iniciando uma verdadeira guerra contra os aubers. Em dois anos, um enorme banho de sangue acontecia, já que Auberon não queria perder os recursos importantes de Wainui, dedicando muitas tropas a Wainui. Além disso os aubers estavam acomodados ao pensarem terem doutrinado os nativos para lutarem contra seu próprio povo, demorando para responder aos primeiros meses de insurgência wainu. Durante a revolução Utriwich não conseguia escapar a tempo e era executado na frente do seu palácio presidencial, e aquele dia, 27 de Kiaäs 5965 era declarada a independência da República de Wainui. A guerra não acabava apesar disso, por forças de Kawsalpa estarem disputando ilhas, um conflito que provaria-se frequente até hoje em dia.

Independência![editar | hide | editar código-fonte]

Haviam várias celebrações nacionais, fora estabelecido um governo provisório (GTNW - Governo Temporario Nacional de Wainui, tendo a duração de um ano). Naquele ano fora feito um referendo nacional para decidir a forma governamental de Wainui, entre algumas opções, a maioria decidirá por uma República Presidencialista. Os conflitos Kawpasas terminaram após um auber que desertou liderar ofensivas contra os invasores e expulsarem os mesmos, porém, o conflito nunca propriamente acabou e tensões entre os dois países ainda são presentes. Nesse ano, os primeiros partidos foram criados e as primeiras eleições foram tidas, em Nikku de 5966 foi anunciado o presidente de Wainui: Ulrich Kedgachain, um Auber que se rebelou junto de Wainui, conquistou o coração de muitos wainus com sua filosofia de vida e liderou a ofensiva contra os Kawpasas. Este governou por 12 anos, em dois períodos, mas em 5978 com complicações na sua saúde devido a um câncer se aposentou da carreira política para se tratar, porém foi usado como exemplo de que "não todos aubers são ruins". A presidência de Kedgachain foi muito importante, pois evitou que o país se dividisse racialmente, já que é difícil ter ódio de um povo quando esse povo se uniu ao seu contra a guerra contra o próprio povo dele em prol do seu povo. Após ele, seu sucessor foi Japsson Nolwenn, um democrata que não conseguiu conquistar o coração de Wainui da mesma forma que Kedgachain. Tendo votado no partido de Kedgachain, a confiança no partido caia já que as coisas não estavam boas a muito tempo, porém a figura de Kedgachain mantinha o povo unido. Governou pelos 6 anos, mas quando saiu do gabinete praticamente jogaram pedras no mesmo. Nos próximo ano, diversos governos tentaram ter sucesso em aumentar o padrão de vida, porém tiveram sucesso moderado.

Novamente Calmaria[editar | hide | editar código-fonte]

Mais um período de democratas falhos que deixavam Wainui uma nação deveras depressiva. O investimento estava baixo, por Wainui não estar sendo suportada por nenhum dos lados da balança econômica. Apesar disso, uma pessoa em específico parece estar fazendo bastante barulho em Wainui. Antes de morrer em 5979, aparentemente, Kedgachain engravidou uma nativa que nomeou o mesmo, propriamente, Kyan. Ulrich Kedgachain II nascia em 19 de Kiaäs de 5980 e conforme os anos se passavam tornaria-se uma pessoa extremamente inteligente, culta e reconhecida pelos arredores de Nunoa, principalmente por ser o filho de Kedgachain já que tinha o rosto do seu pai, era inconfundível. Em 5998 com 18 anos fundava um partido junto de vários membros do seu círculo intelectual, o Partido Popular Republicano. Conforme os anos foram passando, o partido foi ganhando bastante popularidade. Um ano antes do ano de eleição, onde Kedgachain II. passava uma multidão se reunia próximo do mesmo e frequentemente era visto fazendo discursos no centro de Nunoa, sua cidade natal, como se fossem palestras, chegando a mais de 100 "espectadores". A política de Kedgachain II era simples e diferente da de seu pai, seus discursos eram marcantes por essa frase: "Minha ideologia não tem nome, apenas sigo estes 5 dogmas: republicanismo, socialismo, laicismo, reformismo e nacionalismo!". Kedgachain II concorria em 6002 e era eleito ainda no primeiro turno, tendo suporte do partido antigo do seu pai que agora estava indo praticamente a falência e de vários pequenos partidos socialistas. O partido, nesse ano de eleição, foi rapidamente enchendo-se de membros e ocupava 80% das cadeiras. Kedgachain II fez uma política incrível, conquistando novamente o coração do povo wainu com a mesma retórica do seu pai, sendo convidado à Internacional e reformando a política para uma república socialista de estado laico, impedindo que os Antwanistas interferissem nas religiões nativas. Foi reeleito em 6008 e continua governando o país.

Clima[editar | hide | editar código-fonte]

Wainui é o vigésimo segundo maior país do mundo, com 407 300 quilômetros quadrados (km²). Seu território abrange dois fuso horários, UTC −8 e UTC −7.

O sul de Wainui é dominado principalmente por climas oceânicos temperados, também conhecidos como climas "marinho de inverno ameno" ou simplesmente climas oceânicos, sendo dominado principalmente pela variante temperada nas costas do sul da ilha principal de Akala e o leste da ilha de Kakahu. No mês mais quente, a temperatura média é inferior a 22 °C, e apresenta no mínimo quatro meses com temperaturas acima de 10 °C além da temperatura média do mês mais frio deve ser de −3 °C ou 0 °C. Na costa da ilha de Kakahu e no centro montanhoso de Akala é possível encontrar a variante subpolar que apresentam apenas de um a três meses de temperaturas médias mensais que estão pelo menos acima de 10 °C. Como nos climas oceânicos, nenhuma de suas temperaturas mensais médias cai para abaixo de −3,0 °C ou 0 °C. Ocorre bastante precipitação nestas áreas.

O norte de Wainui (e as ilhas Kiawe e Uruak ao oeste e leste de Wainui, respectivamente) possuem o clima mediterrâneo de verão quente, onde é possível observar temperaturas médias mensais superiores a 22 °C durante seu mês mais quente e uma média no mês mais frio entre 18 e −3 °C ou, em algumas aplicações, entre 18 e 0 °C. Além disso, pelo menos quatro meses devem ter média de temperatura superior a 10 °C. A região central-norte montanhosa de Wainui possui o clima ocasionalmente chamado de “clima mediterrânico de verão morno” com temperaturas médias mensais acima de 22 °C durante seu mês mais quente e uma média no mês mais frio entre 18 e −3 °C ou, em algumas aplicações, entre 18 e 0 °C. Além disso, pelo menos quatro meses devem ter uma média de temperatura superior a 10 °C. Em alguns casos, a neve pode cair nessas áreas. Os moradores do norte de Wainui experimentam verões mornos (mas não quentes) e secos e os invernos são chuvosos e podem ser de amenos a frios.

Flora[editar | hide | editar código-fonte]

A vegetação, na sua forma original, era caracterizada sobretudo por árvores. Contudo, devido à intervenção humana e problemas ambientais, as árvores foram substituídas por arbustos, especialmente arbustos esclerófitos, aparecendo, ainda, ervas aromáticas, gramíneas e claro árvores. Distribuição potencial de oliveiras. Esta vegetação é predominante, de folha persistente e apresenta folhas espessas e pequenas, o que ajuda a reduzir as perdas de água por evapotranspiração. Algumas plantas podem também ter espinhos, o que as protege dos animais, pois evita que sejam comidas.

As árvores são, normalmente, de pequeno porte. Possuem cascas grossas e duras e grandes ramificações. Predominam os carvalhos: carvalho português, carvalho-negral, sobreiros, carrasco e azinheiras. Outra árvore muito comum nas regiões de clima mediterrâneo é a oliveira. Em algumas regiões aparecem ainda pinheiros (como o pinheiro manso). Nas áreas com menor precipitação, as plantas adaptaram-se às condições secas, sendo as suas folhas pequenas e por vezes, tão reduzidas que se assemelham a agulhas, o que lhes permite conservar a água. Outras têm as folhas cobertas por uma película cerosa e noutras as folhas refletem a luz do sol.

Algumas plantas desenvolveram, ainda, adaptações que lhes permitem resistir aos fogos frequentes que ocorrem na estação seca: reproduzem-se rapidamente a partir das raízes, depois da parte aérea arder; a resina que reveste as pinhas derrete durante o incêndio, permitindo aos frutos abrir e espalhar as sementes; noutras ainda as sementes que têm condições para viver durante muito tempo germinam após o fogo. A Floresta Temperada de folhas caducas ocupa as áreas mais frias ou/e úmidas de Wainui.

Fauna[editar | hide | editar código-fonte]

A fauna é muito variada e também se encontra adaptada às condições ambientais. Os animais são normalmente pequenos, necessitam de pouca água e têm hábitos noturnos.

Vivem coelhos, javalis, ratos do campo, veados, texugos, diversos tipos de répteis, uma grande variedade de aves (sobretudo migratórias) e insectos.

Demografia[editar | hide | editar código-fonte]

A população de Wainui em 6010 é estimada em mais de 23 milhões de pessoas, sendo o décimo sétimo país mais populoso de Adalar. A população de Wainui é um misto de nativos e descendentes de colonialistas aubers. Wainui tem centros urbanos, porém é bem descentralizado.


Religião[editar | hide | editar código-fonte]

Grande parte dos wainus converteram-se ao antwanismo durante o processo de colonização de Wainui, mas também muitos deles praticam ritos locais cuja maioria são de cunho animalista. Apesar de seguirem o rito comum auber, não são todos antwanistas de Wainui que aceitam a posição do alcorte na sua fé.

Esse artigo é sobre um estado-soberano da Liga das Nações.